14/06/10

Arrependimento


Deixou cair o corpo na cama,
A fraca luz,
Oferecida pelo velho candeeiro,
Sua única companhia.
.
Fechou os olhos…
Pensou no beijo.
.
Humedeceu os lábios,
Mordiscou-os,
Procurou o sabor.
.
Tentou lembrar-se…
Queria lembrar-se…
.
Sentiu então amargura na boca…
Era o sabor das lágrimas.
.
Esse beijo…
Esse beijo nunca foi dado.
.
(resposta ao desafio: "arrependimento")

12 comentários:

isabel maria disse...

Oh!não nos devemos negar estes doces desejos!
Belo e subtilmente sensual.
Simplesmente adorei.

mariahenriques disse...

Cá estamos :)
o poema esse é lindo-adorei**
Abraços!

Manuel Pintor disse...

O beijo, esse
ainda não
Mas o poema
sim
de olhos fechados
já dado
nunca arrependido

Rosario disse...

Como sempre gosto muito de te ler ... mas quase sempre me deixas melancólica com um semi-sorriso nos lábios :)

Rita Schultz disse...

Teu lábio ainda enlaçará outro e tu desabrocharás para a madrugada.
Mas nem lembrarás que quem te colheu foi o arrependimento deste beijo que não se deu.
É um arrependimento talentoso, esse seu poema, Sr. Ruy. Belo melancólico. Como deve ser o arrependimento.
Abraços.

Tili Oliveira disse...

Não há pior sensação...
Deixar de fazer algo que queríamos muito.
:(
Grata pela sensibilidade.
Bjs de estrelas

Anónimo disse...

"Vive para te arrependeres depois."
Um beijo que se fez poema, simplesmente....
Lindo!

Jééh disse...

novamente um belo poema Ruy

Bianca Briones disse...

Alguns desejos ficam para sempre.
Beijos.

Anónimo disse...

( oh miudo... esse saiu mesmo bonito! bonito e profundo como um olhar sem nuvens de sonho... gostei!) :)

Helena Teixeira disse...

Olá!
Comecei a ler o poema Arrependimentos,mas depois a visão do Rapaz que pintou o Céu prendeu-me a atenção e deixei-me perder a ler...

Já conhece as 12 Aldeias Históricas de Portugal? Não perca tempo, venha descobri-las orientado pelo livro “Aldeias Históricas de Portugal – Guia Turístico”. Veja um excerto da obra em www.olhodeturista.pt ou adquire-a já na loja virtual. Mais informação,contacte-nos para aminhaldeia@sapo.pt

Abraço
Lena

Flah Queiroz disse...

Palavras quase palpáveis, tamanha a intensidade.