28/12/10

Sirene

.
Como uma sirene,
Ele foi chegando...
Avisando que estava próximo,
Que estava a chegar.
.
Como uma sirene,
Eu ouvi-o aproximar...
Cada vez mais alto,
Cada vez mais presente.
.
Como uma sirene,
Ele fez o meu coração tremer...
"Cá estou eu!",
Gritou ele.
.
Como uma sirene,
O amor chegou.
.







(sugestão musical - David Fonseca - "Song To The Siren", "Who Are U?")

13 comentários:

RosaMaria disse...

Quanto se pode amar ?
Se for amor mesmo,
não cabe numa vida e nem na gente .

Ruy!
Que poesia linda.
E o desenho? Muito cut cut

PS: uma vontade absurda de rouba-lo pro meu blog.

Beijão
Adoro você!

Anónimo disse...

(O amor está no ar... lalalala... Miúdo, é por estas e por todas as outras que vale a pena cá vir espreitar... recupero sempre a vontade de acreditar. Bom dia e beijo)

Augusto Barros disse...

adorei o texto! Lindo, singelo...

Anónimo disse...

Como sempre, de mansinho a poesia acontece, em imagens e palavras.
Parabéns!

isabel maria disse...

Poema sereno e transparente com que o Doador de palavras nos brinda neste final de ano.
Calmamente o amor é proclamado e coroado com um magnífico desenho.
Gostei!
A continuar sff :)

Taís Santana disse...

Quando há sirenes...quando o amor avisa,o coração ainda dá jeito de se preparar...mas, nem sempre é assim...coração se apaixona sem avisar, sem alardes, no silêncio de um olhar que diz mais que mil palavras.
Amor quieto,mas que fala em nós...
Amor silêncio que é sirene por todos os poros...
Ah, o amor...quando ele existe, o corpo todo denuncia sua presença.
Lindo Texto Ruy..
Abçs
Taís Santana

Suzana Martins disse...

Ah o amor!!

Ouço a sirene tocando meu coração!!!

beeijos

Feliz 2011!!!

maragitado disse...

E aquele amor que chega mansamente
e, sem que quase demos por isso,
se instala no coração da gente
e mente, mente, mente?

Este, não será, certamente, o amor que uma pessoa linda como o meu querido Ruy suscitará sempre.

Ler a sua poesia, nesta altura particularmente dolorosa da minha vida, onde ainda não consegui aprender a viver com o vazio que o meu adorado Xiao Pi deixou, é, de certo modo, um bálsamo para o meu coração triste.
Um beijo

Manuel Pintor disse...

Bem aventurado o amor
que transborda os silêncios
e se anuncia
em gritos de alegria!

Belo culminar de 2010, Ruy.
Que melhor forma de anunciar um novo ano?!
Grande abraço, com votos
de um 2011 pleno no que dele desejas!

Ana Marques disse...

como uma sirene
o amor me disse:

- Sou eu. Abre?

(e eu, silenciosa, abri)

[não queria espantar o amor na minha ansiedade, mesmo que ele me espantasse no barulho da sua chegada]

Sabes que és doce, né amigo Ruy?
Pois és.

beijo doce pra ti.

Ana

Tili Oliveira disse...

Feliz seria eu se os amores para mim chegassem assim, se anunciando. Os meus sempre chegam em sapatinhos de algodão. Quando vejo já se apoderaram de mim.
Lindo poema meu querido! Um bj

elisabeth disse...

...ou chega de mansinho sem fazer alarde,se instala e faz a vida valer à pena !Boas Festas para vc e muito poesia sempre...

elisabeth disse...

Suas palavras entram de mansinho pelo coração e vão tomando cada pedacinho da gente!booom...;
abraços.Elisabeth.