26/04/10

Loop


... acordou com o coração cheio de esperança.
Tomou banho, vestiu a roupa escolhida na noite anterior.
Antes de sair, olhou-se no espelho, sentia-se confiante.
Saiu a correr, não queria atrasar-se.
Esperou...
Esperou o tempo suficiente até cair na realidade, não havia ninguém com quem se encontrar.
Era tudo ilusão.
Conformadamente triste, foi trabalhar.
À noite, antes de se deitar, escolheu uma roupa...


(Loop, é uma palavra inglesa, que originalmente significa “aro”, “anel” ou “sequência”, e que no contexto da língua portuguesa é usada com este último significado.)

17 comentários:

Anónimo disse...

Oh ilusão!
Oh desilusão...
Realidade, verdade, sinceridade, amizade... "LOOP"

Anónimo disse...

Oh ilusão!
Oh desilusão...
Realidade...verdade...sinceridade... amizade... "LOOP"

isabel maria disse...

Reflexão singela mas sensível.Gostei profundamente. Parabéns,por conseguir em poucas palavras alcançar a essência.

isv13 disse...

Loop's deste tipo, ilusórios e vazios, não deviam continuar ;-). Só os loop's de magia.

Rosario disse...

Sad, sad, so sad ...
Why do I have the feeling that it could be me?! ;)

Parabéns Ruy!
AnaAustria

Tili Oliveira disse...

Triste?! Nem tanto.
Acho que o importante é continuar acreditando que um dia o loop vai acabar.
Ilusões também constroem sonhos, e sonhos um dia se realizam!
Belíssimo conto!

Keyla Galvão disse...

Gosto quando a rotina é quebrada por motivos que me escapam e chego até a ser egoísta nesse ponto, por querer mais e mais quando existem tantas pessoas vivendo de um modo contrário. O dia escorre por entre os dedos do seu personagem e ele se funde na ausência de cores e passos. Sua única ambição é a noite, onde poderá escolher a roupa do dia seguinte... Senti paradoxo em seu texto e me sinto bem assim quando perco o rumo. Lindo texto querido. Não sabes o quanto me fazes despojar a alma!! Beijos.

Maria de Matos disse...

conheço bem esse estado...

redoma-de-cristal disse...

Parece que tudo que leio por aqui sou eu. Nossas almas são parecidas. Só não sei se isso é bom porque a minha tem sofrido um pouco.
Linda poesia.

Beijo.

Bianca

Jééh disse...

não, não creio que seja triste, continuar é sempre importante em qualquer ocasião *--*

Lee disse...

Costumo dizer que ninguém nos desilude realmente... Usualmente somos nós que pomos altas as expectativas... Somos nós que depositamos esperanças onde elas já morreram... E por vezes, fazemo-lo continuamente, continuamente caimos na realidade... Mas ainda continuamente... Continuamos.

Loop.

Parabéns uma vez mais Rui!

Psique e Eros disse...

Singelo...transmite com muita propriedade nossas pequenas ilusões do dia-a-dia. Adorei Ruy.

Anónimo disse...

(gostei do loop... foi como ler um pedaço de mim... agora que penso bem nisso, nos últimos tempos qualquer semelhança com o cenário do loop não seria pura coincidência... olá miúdo...)

Manuel Pintor disse...

Li
Já li
Reli
Li
Já li
Oops... estou em loop!
Como se sai da rotunda, Ruy?
Haverá a saída que queremos?
Queremos a saída que há?
Reli
Li

Roberta disse...

Oh ilusão, oh desilusão...
mas, nesse caso, o loop é força.
É força pra encarar novamente o dia,
escolher outra roupa
perfumar-se
preparar-se.
Pois amanhã pode ser diferente.
Pode ser, finalmente,
o grande dia!

Parabéns, como sempre muita sensibilidade nas suas palavras... ADORO!

Ana Marques disse...

Você já viu o curta "Signs"?

Veja... traz nitidamente a noção da falta de sentido, da ausência de uma cor que muitas vezes é dada pelo outro que conosco interage.

Em "Dança comigo", numa passagem memorável de Susan Saradon, ela diz que nos casamos para termos uma testemunha da nossa vida, alguém que nos defenda e nos veja.

E isso realmente conta muito, porque o "não ter com quem se encontrar" significa que o "eu lírico" aqui dramatizado sente-se sozinho, invisível, isolado.

Parabéns pela sensibilidade do belo texto e da reflexão que ele nos proporciona.

Rita Schultz disse...

Loop!
É tão triste!
Dia após dia...