12/04/13

O Livro Das Páginas Em Branco

    ... assim que o rapaz saiu da biblioteca, depois de ele ter pousado cuidadosamente o novo livro em cima da velha secretária de madeira , gerou-se um enorme alvoroço na biblioteca.
    Vozes, vindas de todas as prateleiras que tapavam as quatro paredes da divisão, ecoaram abruptamente... eram as vozes dos livros, todos eles tentavam adivinhar o que estaria escrito nas páginas do novo livro.
    Visivelmente assustado com tudo aquilo, o novo livro manteve-se em silêncio.
    Subitamente, uma voz forte e autoritária sobrepôs-se a todas as outras, era o voz do velho Atlas, o livro mais sábio e antigo de toda a biblioteca.
    “Silêncio! Não estão a ver que o pequeno livro está assustado?" - repreendeu o Atlas, depois ele continuou: “Olá, jovem livro... não tenhas medo, como te chamas?"
    O livro não respondeu.
    “Bom, diz-nos... qual é o tema das tuas páginas, elas falam do quê? São sobre grandes feitos da Humanidade?" - questionou o velho Atlas, rapidamente interrompido por um livro de aventuras policiais: “Aposto que nas páginas dele devem estar mil aventuras... perseguições, mistério, perigos...”.
    Nesse momento, todos os outros livros começaram a sugerir possiveis temas para as páginas do novo livro... até que finalmente, o livro falou:
    “Estão em branco...” - disse ele, com uma timida voz.
    Fez-se total silêncio, depois o Atlas perguntou: “O que foi que tu disseste?”
    O pequeno livro respondeu: “Em branco, as minhas páginas estão em branco... eu... o meu nome é Diário... ao contrário de todos vocês, ainda não tenho nada para contar... suponho que não devo ser muito importante.”

    O rapaz do início da história, era eu.
    Anos mais tarde, o pequeno Diário ficou com as páginas todas escritas... de certo que ele não se transformou no livro mais importante do mundo... mas ele é, sem dúvida, o livro mais importante do meu mundo.

    (Dedicado a todos os diários)

5 comentários:

maragitado disse...

e o menino cresceu e revelou-se um poeta e um artista que toca o coração de quem o lê

Suzana Martins disse...

Homenagem belíssima aos diários.
Eu amo diários. Escrever uma página a cada dia com histórias completamente diferentes me envolve demais.
Amei a homenagem.

Beijos

Isa Lisboa disse...

Esse livro é importantíssimo, não só pelo que é, mas pelo que pode vir a ser!

Achei os teu blog muito interessante, voltarei cá para ler mais!

Abraço

=> Instantâneos a preto e branco
=> Os dias em que olho o Mundo
=> Pense fora da caixa

ᄊム尺goん disse...

Queria saber o sonho daquelas garças à margem do rio. Mas não foi possível. Agora não quero saber mais nada, só quero aperfeiçoar o que não sei.

|Manoel de Barros - Memórias Inventadas - A Terceira Infância|


abç

Anónimo disse...

isto é algum livro ?